4 de abril de 2011

A vida de namorado depois dos cinqüenta.

Infância, adolescência, juventude , maturidade , meia idade, ai chegou o ponto.
Meia idade e namorando .
É assim que a gente apresenta ela e é assim que ela apresenta a gente.
Parece que estamos falando de um casalzinho de 18 anos.
Mas não.Estamos falando de homens e mulheres , na faixa dos 50 , que estão reconstruindo em si mesmos o amor.
Já não tem cueca melada e calcinha molhada.
A maturidade pede o que não se viveu até aqueles dias. Ficar quieto , por exemplo, é uma destas coisas.
Não se sabe ao certo se são namorados ou qualquer outra coisa.
O fato é que são olhados como se fossem outra coisa.
A vida é atípica.
Tem-se parte da vida, mas não se tem o cotidiano.
Entra ano, sai ano.
Só se tem alguns bons momentos, e os sofrimentos?
É uma vida part-time, como gostam de trabalhar e, muitas vezes, viver os gringos.
Cadê o arroz,o feijão, o bife? Ao casal de namorados está reservado as coisas especiais, diferentes, saborosas, ...
Mas não a vida, o dia a dia , o ciúme, o arranca rabo, ... o respeito.
Parece que tudo se resume a beijos e abraços. Contas para pagar? Nem pensar, ... isto é coisa de quem é casado.
Até que não seria má idéia, eles seriam seres comuns, como a grande maioria do mundo ocidental.
Namorar depois dos 50 , é como ganhar na loteria e descobrir que o dinheiro não vai dar para comprar tudo o que tu queres.
Não falei aqui dos filhos de um e dos filhos do outro.
Não falei do ex e da ex.
Quando civilizados, menos pior , mas invariavelmente não são.
Namorar aos 50 é como ser miope: só se enxerga perto.
Longe, na perspectiva, tudo fica fora de foco.

Os ansiosos tem que tomar Lorax para caramba.
Talvez , os dos 50 amadureçam de fato e descubram que lhes resta muito pouco tempo para viver o amor verdadeiro com saúde plena.
Mas se preferirem se enganar e adiar o que há demais importante na vida de um ser humano, que continuem vivendo a síndrome dos 18 no mela cueca e molha calcinha.
O problema é que o amor não espera.

2 comentários:

hsavoia disse...

Mais um post consciente sobro o inconsciente coletivo!
Estou longe dos 50, mas seria presunção dizer
que dá pra entender perfeitamente?!

Um beijo,

Henrique

Anônimo disse...

Muito bom!!! Como sempre textos ótimos...

Bjs
Gabriela

Postar um comentário